Avaliações como fator potencializador do aprendizado

6 minutos para ler
Tempo de leitura 5 min

Sistema de avaliações contínuas desenvolve visão crítica e disciplina

Em uma época com tanto acesso à informação e discussões acerca dos melhores métodos para se aprender, as avaliações continuam ocupando um papel central. Resumos e técnicas de memorização são utilizados por estudantes para fixar o que é aprendido em sala de aula. Mas, muitas vezes, o conhecimento adquirido para se realizar as temidas provas de final de semestre dura o tempo das avaliações e é esquecido logo em seguida. O que os mais recentes estudos em neurociência mostram, no entanto, é que realizar provas de maneira continuada é um dos mais eficazes métodos para aprender e reter melhor um conteúdo. Testar conhecimentos de forma constante faz com que o estudante aumente sua capacidade de realizar inter-relações, passe por um processo de amadurecimento dos conceitos e, consequentemente, aprenda melhor. “O modelo de avaliação continuada se mostrou muito bom para melhorar a aprendizagem aqui na faculdade. É eficaz no sentido de fazer o aluno dar mais importância a cada parte do que aprende e testar seus conhecimentos de maneiras diversas na prova”, afirma o professor Marcelo Dias, professor da ESEG e autor do livro “Sonhar, Estudar e Conquistar”, que trata de métodos de otimização do aprendizado. Além de melhorar o nível de conhecimento adquirido, realizar provas faz com que o estudante exercite a memória e a criatividade, faça associações, ative o senso de organização, administre o tempo, entre outras habilidades. Segundo Dias, as aptidões desenvolvidas em testes constantes são benéficas não apenas para o desempenho acadêmico: “Realizar avaliações de forma continuada coloca o raciocínio do estudante à prova e o faz melhorar. Isso acontece porque o aluno tem um feedback de seus erros e tem a oportunidade de corrigi-los na prova seguinte. Na ESEG, entendemos como avaliação não uma simples prova, mas sim um conjunto de atividades que faça com que o aluno saia da zona de conforto de mero ouvinte para realizador de tarefas que dependem dele. Isso desenvolve também a tão buscada autonomia no estudante”, afirma o professor Marcelo.

Sistema de avaliação de aprendizagem

Algumas instituições no Brasil adotam o método de avaliações continuadas na graduação. Na ESEG – Escola Superior de Engenharia e Gestão, os alunos realizam provas a cada três semanas. O sistema já funciona há cinco anos. “Antes aplicávamos um modelo com menos avaliações e fomos adaptando até chegar ao atual, que tem sido bastante eficaz. Houve um semestre que pensamos em tirar uma das provas, mas os próprios alunos acharam melhor permanecer com todos os ciclos. Eles veem como uma chance de melhorar o aprendizado e suas notas”, explica o docente, mestre em Pesquisa Operacional. O sistema de avaliações da ESEG consiste em quatro provas por semestre, que compõem a nota final do aluno. Por parte do professor, há diversas oportunidades para avaliar o aprendizado do estudante com uma pequena quantidade de matéria e variando a forma de cobrança do conteúdo. Ora são utilizados textos mais longos para análises, ora são usados cases práticos para que o aluno faça uma proposta de intervenção de melhoria. Isso desenvolve um senso crítico mais aguçado diante de uma série de problemáticas apresentadas. Caso os docentes percebam qualquer inconsistência no aprendizado, a reação é mais rápida em aula, ao invés de fazer a mudança do plano de aula somente para o semestre seguinte. Marcelo Dias garante que as vantagens da metodologia vêm sendo comprovadas na prática: “Não é preciso esperar até o fim do semestre para solucionar problemas em uma disciplina. Se ao corrigir uma prova eu perceber que o aluno não entendeu determinado conceito, posso retomá-lo em aula, de forma a reforçar esse conteúdo e desenvolver melhor toda a rotina acadêmica”. Reforço no conteúdo e táticas de retomada da matéria em aula são embasadas no desempenho dos alunos nas avaliações, que podem ser também trabalhos práticos nos laboratórios. Na ESEG, os universitários são acompanhados de perto não só pelos professores, como por profissionais que oferecem apoio no desenvolvimento acadêmico, bem como na inserção no mercado de trabalho. O coaching está disponível para todos os matriculados e inclui auxílio no planejamento de estudos. As notas e frequências são acompanhadas pela equipe pedagógica, de forma a oferecer auxílio de acordo com a situação de cada estudante. O plano de estudos é elaborado de forma a ser condizente com a realidade, potencialidades e dificuldades do aluno.

Disciplina e resiliência

O estímulo à disciplina é outro grande benefício apontado pelo professor Marcelo Dias para o método. “O aluno não acumula a matéria. Sendo avaliado continuamente, ele acaba por reter melhor o conhecimento”. Para os estudantes que não atingem a média para aprovação há a possibilidade de recuperar a nota ainda no meio do semestre. Isso porque as quatro provas são divididas em dois conjuntos. Ao fim de cada conjunto o estudante que não conseguiu desempenho satisfatório pode retomar os conceitos aprendidos durante aquele período, bem como a nota. Para os que, após as recuperações dos conjuntos, não conquistarem a média mínima 6, é aplicado o Exame Final, composto por toda a matéria do semestre. “Isso faz com que o estudante lute até o fim para conseguir a aprovação e consequentemente melhore seu aprendizado”, diz Marcelo Dias. Gabriel Garcia, aluno de Engenharia de Produção, concorda que o método de ensino adotado pela ESEG o ajudou a ter disciplina e a se desenvolver profissionalmente: “A faculdade nos incentiva a encontrar novas soluções para problemas e a ser melhor como pessoa e como profissional”, diz Gabriel, que hoje trabalha como analista de riscos de crédito no Banco Santander.
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-